ESTUDO MOSTRA COMO SE COMPORTA O SEU GATO QUANDO VOCÊ NÃO ESTÁ.

Durante quatro anos, 16 felinos foram monotorizados com câmaras para percebermos como se comportam quando estão em liberdade

Alguma vez se questionou o que fará o seu gato quando você não por perto? Foi isso que Maren Huck, uma pesquisadora da Escola de Ciências Ambientais da Universidade de Derby (Reino Unido), se questionou ao ver o seu felino passar com uma ave na boca. Nesse dia, motivada pela curiosidade, decidiu comprar uma pequena câmera pela internet, e depois de descobrir o que o seu gato, Treacle, se comportava de uma maneira diferente da que imaginava, decidiu realizar um estudo científico. Começou por colocar pequenas câmeras —que chamou de catcameras— e captou a imagem (inclusivé noturna) e o som de 16 gatos durante quatro anos.

O estudo foi realizado entre março de 2011 e junho de 2015, e com ele, pretendia-se saber mais sobre o comportamento predatório dos gatos domésticos. No entanto, depois de ver algumas gravações, a investigadora chegou à conclusão que as mesmas podiam servir para estudar o comportamento dos pequenos felinos de uma forma mais geral. Com as 127 horas de imagens gravadas, analisou aspectos como os hábitos de sono, descanso ou caminhada, bem como os jogos de caça e socialização .
 
Ao todo, analisaram 36 comportamentos e o que descobriram foi que, por exemplo, embora os gatos pareçam muito preguiçosos (especialmente quando  comparados com os cães), estão muito alertas quando se encontram em liberdade, segundo o estudo, publicado na revista Science Direct. Por outro lado, os felinos são mais amigáveis do que se poderia pensar: há muito mais interação entre aqueles que não vivem juntos, e eles inclusivé saúdam-se de forma carinhosa. A maneira de miar também é diferente, segundo este estudo, e alguns vocalizam menos fora de casa, num tom diferente.
 
Segundo Maren Huck, “os animais domésticos que vivem em liberdade podem realizar muitos comportamentos que não demonstram na presença da figura humana; existe sempre a possibilidade de um efeito observador”. Por isso, a pesquisadora ressalva a importância do estudo, "que se diferencia do resto das análises de felinos porque se olhou coisas muito concretas, como a frequência com que os gatos atravessam estradas, por exemplo, ou quantos animais matam."
 
A autora espera que o estudo abra um debate sobre se os gatos devem ser mantidos no interior dos lares o tempo todo, já que talvez estejam mais entediados ou stressados. Além disso, estes vídeos podem ser relevantes para resolver diversos problemas de bem-estar animal, e para aumentar o entendimento da espécie, já que os motivos para as vocalizações, como o ronronar, continuam a ser pouco conhecidas. "Espero que mais pessoas ponham câmeras nos seus gatos para que possam compreender seus comportamentos", afirma Huck.

Veja o vídeo com as "catcameras" em ação em: https://www.youtube.com/watch?time_continue=1&v=rtKjlYEAbRQ

SITE SCIENCEMAG.ORG | 2019-07-08