CÃES DETETAM CANCRO DO PULMÃO COM MAIS EFICÁCIA DO QUE OS MÉDICOS

Blat, um cão que nasceu do cruzamento de um retriever labrador com um pitbull, consegue detetar se uma pessoa tem cancro do pulmão, através de uma a amostra obtida pela respiração, segundo os especialistas.

A cada três anos realiza-se, em Barcelona, o Congresso de Cirugia Toráxica, oraganizado pelo Dr. Laureano Molins, chefe do serviço de Cirugia Toráxica do Hospital Clínico de Barcelona e presidente da AECC-Catalunha Contra o Cancro. Reúne os médicos de diferentes pontos da Europa, para partilharem as nova técnicas cirúrgicas e os avanços na luta contra o cancro do pulmão.

Uma das novas técnicas apresentadas consiste em retirar um nódulo do pulmão, através de uma incisão realizada através do pescoço, evitando desta forma fazer intervenções na zona do tórax.

No entanto, o protagonista do evento deste ano foi o Blat, um cão detetor de cancro. A fama de Blat começou à cerca de um ano, quando apareceu no Jornal Europeu de Cirurgia Cardio-Toráxica, ao demonstrar que era capaz de detetar se uma pessoa tinha cancro de pulmão, apenas ao cheirar uma amostra da  respiração dessa mesma pessoa.



Na primeira fase do estudo, que foi levado a cabo pelo Dra. Angela Guirao, do serviço toráxico do Hospital Clínico, o Blat demonstrou saber se um pessoa tem tumor pulmão, com uma precisão de 98%.

Neste Congresso, a Dra. Angela Guirao, apresentou a segunda fase do estudo, onde ficou comprovado que o cão foi mais preciso que os médicos na hora de descobrir se um nódulo era ou não cancerígeno. Os médicos operaram 30 pacientes com nódulos no pulmão que supostamente poderiam ser cancerígenos. Enganaram-se em três. Depois da operação, 27 tinham cancro no pulmão. Blat detetou a 100% ao cheirar todas as amostras.

Assim, os especialistam explicaram que o passo seguinte seria identificar que moléculas cheira o Blat e desenvolver um “nariz eletrónico”.


ANIMAL´S HEALTH | 2019-08-19